sábado, agosto 06, 2005

CASA DE DETENÇÃO

Centro de Turismo de Natal
(antiga casa de detenção)

A brisa bate no ferro
da tua grade,
na grade
da tua cela
onde por lei
trocastes
a liberdade
pela vida
que tirastes.
O barulho
longínquo e surdo
da onda
que se espraia
na areia
como se o mar
viesse a ti
indiferente
à lua
que o prateia.
E a bruma
e a brisa
e a lua
e o mar
companheiros de cela,
e do ferro
que a maresia
não come,
que a água
não molha,
mas que,
o visual
diz tristeza
diz dor
e te mostra
solidão.
Chl

Nov/1978

Um comentário:

Márcia disse...

Bravíssimo, Chagas. Que belo poema.

Um beijo, azul e de saudade,

daqui,

Márcia

tábua de marés e mudança de ventos.