quinta-feira, dezembro 08, 2016

ORDEM JUDICIAL


Zezé Profeta era o presidente da câmara municipal de Santa Cruz e resolveu fazer uma reforma grande no prédio do parlamento, porque, segundo ele, um dilúvio se aproximava.
Contratou Borrego para esvaziar e lavar a cisterna do prédio, Juvenal Pé de Copa , para trocar todas as bicas e seu Otilio para trocar todos o caibros e as telhas.
Toda a despesa, sem orçamento e que fatalmente iria estourar o teto.

Dr. Djanirito, juiz de direito da cidade, alertado pelo vereador Alexandre Calça Curta, que era da oposição, manda intimar Zezé, que prontamente se dirige para o cartório de Manoel Soares, que funcionava como Fórum, para esse tipo de questão.
-Sr. Presidente, começa o juiz, como o Sr. explica tamanho gasto na reforma da Câmara ?
- Dotô, diz Zezé, Deus falou comigo ontem de noite e me avisou pra tomar providências nos prédios públicos e na moradia das pessoas, que vem um dilúvio grande e não vai ficar um barreiro inteiro e as cisternas vão sangrar e muito telhado vai cair com as goteiras. Resolvi começar pela câmara municipal, onde quem manda sou eu.

O Juiz imediatamente determinou - Pare tudo, pra não sofrer as consequências.
Zezé levantou-se, saiu , e chegando na porta disse :- Pois se o Sr. quiser, mande essas consequências conversar comigo, no meu gabinete.
Disse isso e foi embora.
Meia hora depois, chega Zé Pedro, oficial de justiça, na Câmara Municipal, acompanhado do Sargento Pacheco , do Cabo Miguel e do Soldado Andorinha, com uma ordem para afastar Zezé da presidência.
Zezé convocou uma reunião rápida com os vereadores Geraldo de Tico , vice-presidente da casa e Manoel Macedo, Secretário da mesa e mandou dizer ao oficial que não ia assinar nada e que naquele momento estava indo para o seu sítio nos Tanques, cuidar do barreiro, pra não estourar.

Zé Pedro comunicou ao juiz, que imediatamente resolveu tomar uma providência mais séria, mandar prender Zezé, por desobedecer a uma ordem judicial. Antes porém, resolveu convocar uma reunião com um conselho de notáveis da cidade. Convocou, Zé Sobrinho, o prefeito, Padre Emerson, o pároco, Dr. Jonas, o causídico, Seo Horácio, como cidadão muito experiente, Professor Cosme Marques, seo Cocó e dona Carmen Andrade, representante das mulheres.

Depois de várias horas de reunião, chegou-se a seguinte conclusão, devidamente promulgada pelo juiz nos seguintes termos:

Senhores,

Analisando a situação e ouvindo os representantes da comunidade, concluímos que, sabendo que Zezé Profeta é meio fraco do juízo e visando o equilíbrio da situação grave que nos encontramos, decidimos que ele será afastado da linha sucessória do prefeito que, em caso de afastamento dele e do vice, João de Gan, assume a prefeitura o juiz de Direito da comarca.
Reconhecido e dado fé pelos tabeliães presentes.
E agora, corram pra casa que vai chover e é muito.

Chl
Dez/2016