sábado, agosto 13, 2005

O BUGARI



Morreu o bugari,
porque seu cheiro acabou.
A pétala branca
esmaeceu
perdeu a cor
ficou marrom
pálida
quase preta,
o bugari murchou.
Sobre a estante
com cheiro ardente
o caule mergulhado
na água fria
sobre as pedrinhas,
de "alagamar".
A luz ofuscou
e respirou fumaça,
viu os dramas
presenciou felicidade
fez-se forte
e cheirou ardente,
com pétalas brancas
alvejadas pela brisa
que já não existe,
aguentou quanto pôde
sem respirar.
A água fria
estava podre,
as pedrinhas
feriam seu caule,
o bugari sucumbiu
só pra fazer alguém feliz,
a natureza fugiu
e a flor feneceu.
Chl.
Out/1978

Um comentário:

Márcia disse...

Bugari aqui se chama jasmim-vapor. A "capela" do meu casamento era feita dele. ;)
Beijo grande.