domingo, julho 10, 2005

PALAVRAS


As palavras
ferem a alma
doem na carne
como se um estilete
penetrasse nela,
sufocam o peito
matando o amor
nele contido.
O ser humano
se perturba e sofre
se machuca e dói
simplesmente porque é fraco
ou talvez,
porque é bom.
No âmago da dor
explodem as lágrimas
que se derramam pelas pálpebras
dentro das paredes frias
de um quarto sombrio,
a solidão e a dor
comungam com o sofrimento,
a impotência
e o se perder.
Chl
Fev/1979

3 comentários:

Neuzinha disse...

Esse seu poema, Frei, remeteu-me a tempos tristazuis como o desta mulher de Picasso.
Reflexões. Decisões.
Sua,
Neuza

Márcia disse...

Comentei esse poema no Alma, Chagas. Mas comento de novo aqui. É todo belo. Sobretudo:

O ser humano
se perturba e sofre
se machuca e dói
simplesmente porque é fraco
ou talvez,
porque é bom.


Beijo grande,

Márcia

tábua de marés e mudança de ventos.

Anônimo disse...

Meu prezado ChL.

Na palavra se escuta a alma
Na alma a voz do coração
No coração a essência do ser
Onde permite se conhecer
Do ser sua emoção
Num dia agitado, numa noite calma

Esse eu poema é, simplesmente, o seu tudo.

1 abraço

Manel Bomfim